domingo

Carta de um viciado

Apesar de já não estar muito bem da memória, eu quero contar a minha história. Eu não sei se você vai se interessar pelo o que eu tenho a dizer. Mas eu garanto que não fui o primeiro a ter essa experiência e com certeza não serei o último.
(...)
Pois bem, eu me reporto agora à minha infância, quando eu jogava futebol na rua, soltava pipa, brincava de peteca, subia em árvores, andava descalço... Mas nem tudo era só alegria. Numa dessas aventuras de criança, fiz amizade com as pessoas erradas. Desde então, a minha vida mudou completamente.
No início eu achava maravilhoso, uma novidade. Acreditava ter encontrado amigos de verdade. Eles eram os meus companheiros de todas as horas. Mas a minha família não aprovava muito essa amizade. A minha mãe sempre me pedia para não andar com aquele pessoal, alegava que eles não eram uma boa companhia para mim. Porém, eu não me importava com o que ela dizia. Eu só queria curtir a vida, ser livre, ser aceito pelos amigos, fazer o que me desse na telha.
Numa dessas de querer ser aceito pela turma, acabei cedendo e experimentei um cigarro de maconha. Nesse dia, eu tinha discutido lá em casa e faria de tudo para esquecer os meus problemas. Aquele baseado foi a minha salvação, rapidinho relaxei... Viajei legal! Foi muito maneiro... Eu fiquei muito louco...
Daquele dia em diante, cada vez que eu tinha um problema, tentava esquecê-lo através das drogas. De início era só coisa leve, depois fui usando de tudo, só bagulho pesado mesmo. A minha mãe começou a desconfiar das minhas atitudes e logo teve a certeza que eu já era um viciado. Resolvi sair de casa, procurar a minha independência. Lamento ter descoberto mais tarde que tomei a decisão errada.
Após sair de casa, a grana não era mais suficiente para comprar minhas drogas. O jeito foi sair com a galera e fazer uns bicos; passei a cometer alguns furtos. Eu nunca fui mal, fazia aquilo para alimentar o vício que me consumia. E se eu não pagasse a mercadoria que eu comprava os manos não iam me perdoar. Ou seja, era a minha sobrevivência que estava em jogo.
O tempo foi passando, uns trutas meus foram ficando pela metade do caminho, ou eram mortos ou presos. Eu tive mais sorte, fui em cana várias vezes, porém sempre sobrevivia.
Eu sobrevivi a tudo, menos às drogas. E só de pensar que embarquei nessa para esquecer os problemas e acabei arranjando cada vez mais... Só quero que saiba que eu nunca me considerei um bandido e sim uma vítima, um usuário. Estou arrependido por ter sido fraco, por querer ser aceito num grupo de falsos amigos. Destruí a minha vida... Eu sou tão jovem ainda, poderia ter aproveitado mais...
A minha mãe falou um dia em me internar numa clínica de tratamento para viciados, só que ficou só no falar. Essa atitude nunca foi concretizada. Eu não a culpo, mas sinto que algo poderia ter sido diferente... O único culpado fui eu, a decisão de experimentar foi minha; então, eu que enfrente as conseqüências!
Hoje eu tenho vinte e cinco anos, apesar da aparência de trinta. Sou pai de um lindo garoto, tenho uma mulher maravilhosa... Isso é tudo o que tenho para me orgulhar... Pena que o meu moleque não vai ter a oportunidade de conviver com o pai... Pois hoje eu estou partindo, por isso eu escrevi esta carta para que você comente a minha história, fale por mim tudo o que não posso mais falar. Peça aos jovens que nunca façam o que eu fiz. No momento da minha morte, eu descubro que a vida é valiosa. Quisera eu ter outra chance... Diga ao meu filho para não ter raiva e nem vergonha de mim. Sinto muito por tudo, peça-lhe perdão por eu ter sido um fraco. E você, por favor, não me critique. Essa é a minha história, mas poderia ser a sua...

Maria Liberdade Oliveira dos Santos






Imagem: GOOGLE



Texto publicado no livro:
“Contos Fantásticos vol. 13”


Editora Br Letras CBJE – Rio de Janeiro



“AS DROGAS MATAM DE VÁRIAS MANEIRAS - uma experiência inédita, conduzida por Renato Cavalher na CTDia, resultou na primeira campanha antidrogas criada por ex-usuários।”Confira as imagens no link:



http://www.clickmarket.com.br/portal/popimg.php?id=5368



3 comentários:

Anônimo disse...

Engraçado como as pessoas erram e mesmo sabendo do seu erro persistem. é normal. não vale a pena julgar. que Deus o Tenha. E que Deus perdoe os que assim seguem! ..

Aline disse...

Que os viciados se arrependam do que fazem e que vêem que o que fazem vai fazer mal
só a eles mesmos..
E que Deus um Dia possa perdoá-los
por que não Sabem o que Fazem...
essa história é mto tocante...

alexandre disse...

a até parece eu falando...um dia eu fui vitima das droga...mas hoje estou livre dela graças jesus cristo ele tinha um plano pra mim hoje sirvo a ele.......nunca julgue ninguem ninguem sabe o dia de amanha!!! a onde estiver fica na paz?tem uma uma coisa que eu levo comigo...so deus pode me julgar pode crer!!!sou apenas mais um na multidao!!!!!!!!!